Que tipo de líder você é? Faça sua equipe vencer

Se você já leu a respeito da importância da motivação pra engajar uma equipe de colaboradores, sabe que é indispensável que a energia necessária parta de um superior ou de alguém que tenha a função de direcionar o restante da equipe. No entanto, é extremamente importante lembrar que esse superior será também um líder e que terá influência sobre as pessoas, especialmente quando fala-se de um grande número de pessoas, deve-se também considerar mais responsabilidades. Afinal, um líder é uma figura notável e observada: ele é o exemplo de como as coisas devem ser feitas. Talvez, indo mais longe, seja o espelho do que todos querem para o futuro. Por essa razão, é de extrema importância que o líder seja admirado.

O exemplo

É preciso ter bastante jogo de cintura quando o assunto é liderança. Afinal, se o controle do salário fosse suficiente para que um líder tivesse toda a credibilidade da qual necessita, isso seria um problema muito fácil de ser resolvido. Porém, não é bem assim que as coisas funcionam. Um líder é alguém que está completamente comprometido com o desenvolvimento da empresa. Ele faz tudo como deveria ser feito – ou ao menos tenta. Precisa mostrar que não é indisposto, que é seguro e confiante e que sabe o que está fazendo porque trabalhou e estudou para isso.

O perfil de líder ideal é como o perfil do melhor jogador do time: ele topa todos os desafios, por mais ambiciosos que pareçam, porque sabe que pode ganhar. Ele tem em mente que tem em si o que é preciso para vencer e não há porque optar por perder ou por ter medo desses desafios.

A questão do exemplo é muito importante. Vemos por aí muitos chefes que cobram de seus funcionários coisas que eles mesmos não fazem. Isso não se refere aos compromissos inerentes de cada cargo e posição na empresa, que são diferentes, mas sim ao compromisso com a estratégia determinada, com a força de vontade, com a entrega ao propósito de vencer obstáculos.

O motivador

O líder motivador não pode injetar ânimo na equipe em um dia e no outro chegar desanimado na empresa como se tivesse desistido de tudo o que disse no dia anterior. Ele precisa mostrar que por mais que tenha problemas, ele deixa-os fora do trabalho. O negócio será o seu refúgio, o local onde ele é forte, incansável, persistente e determinado. Separar os problemas da esfera pessoal com os da profissional é uma das maiores lições que se pode ensinar à equipe. Ver que o chefe está passando por situações complicadas e mesmo assim não se deixa abalar é algo que pode emocionar a todos e fazer com que se portem da mesma maneira.

O companheiro

O cliente pode ser a parte mais importante de uma empresa. Afinal, não há empresa sem clientes. Porém, isso não significa deixar a equipe se sentir em segundo plano. O líder é o seu companheiro e ao mesmo tempo, o seu protetor. A rigidez excessiva não é interessante. Há muitos casos nos quais os patrões permitem que os clientes sejam desrespeitosos com os funcionários. O desrespeito não é interessante em nenhuma situação e o chefe, com muito tato, não deve permiti-lo. Na maioria dos casos se trata de solucionar mal-entendidos. É preciso pensar sempre na equipe como um time do qual você é o capitão e se algum problema ocorreu, é muito provável que todos tenham um pouco de responsabilidade.

Dinheiro não é tudo

Por mais que ganhar mais pareça interessante, dentro de uma empresa o tamanho do salário não é o que move as pessoas a trabalharem melhor. A vida profissional de um colaborador inclui muitos aspectos de sua personalidade e envolve sonhos, conquistas e realizações. É preciso entender que passamos nossas vidas estudando para conseguir um bom cargo e não apenas um bom salário. Gostar da própria profissão é uma das coisas mais difíceis de se almejar. Se todos os trabalhadores acordassem animados com o que vão fazer em suas respectivas empresas, certamente seriam mais produtivos e mais felizes. Portanto, o trabalho envolve muito mais do que a busca pelo dinheiro. Trata-se da busca pela realização, pelo sucesso. Assim, cabe ao líder mostrar que ninguém em sua equipe passa os dias na empresa por mais dinheiro. Todos estão lá para serem pessoas melhores, mais inteligentes, mais ousadas, mais confiantes e mais valorizadas.

Como a gamificação se encaixa nesse contexto?

Um líder que usa a gamificação na sua equipe é um líder que compreendeu tudo isso que estamos falando nesse artigo. Em primeiro lugar, ele é inovador. Afinal, a gamificação é bastante recente no Brasil. Em segundo lugar, ele está interessado em fazer com que a equipe se divirta de uma forma interativa e desafiadora. Assim ele também consegue apresentar resultados melhores. O líder que gamifica o seu negócio é aquele que pretende mostrar que todos podem mais do que imaginam e que todos possuem o potencial para chegar ao topo do pódio, recebendo, por isso, a recompensa, que nem precisa ser notável em termos financeiros, mas sim em termos de valorização pessoal e profissional. Às vezes, tudo o que um colaborador precisa para se entregar à sua tarefa é ouvir alguém que ele respeita muito dizer “você é bom e é capaz de tudo!”.

E você? Que tipo de líder quer ser? Leia também: Descubra o poder da gamificação para o feedback corporativo.

Deixe um comentário